NÓS SOMOS A ALEMANHA

A República Federal da Alemanha está situada no coração da Europa e é um país cosmopolita, democrático, com uma grande tradição e um presente vibrante. A Alemanha num relance: números, fatos, informações.

1. A população

Com 83,1 milhões de habitantes, a Alemanha é o país mais populoso da UE e um dos países com a maior densidade demográfica. Cerca de 77% dos habitantes vivem em áreas com média ou alta densidade demográfica. Cerca de 30% da população vivem em metrópoles com mais de 100 mil habitantes, no total de 80 no país, entre elas quatro cidades com mais de um milhão de habitantes (Berlim, Hamburgo, Munique, Colônia).

2. A natureza

No norte, a Alemanha tem acesso ao Mar Báltico e ao Mar do Norte. No sul, se estende até os Alpes. O pico mais alto é o Zugspitze na Baviera, com 2.962 m. O ponto mais baixo em terra está situado a 3,54 m abaixo do nível médio do mar em Neuendorf-Sachsenbande, no estado de Schleswig-Holstein. Com 357.340 km², a Alemanha é, depois de França, Espanha e Suécia, o quarto maior país da União Europeia. Um terço de sua extensão está coberta de florestas e 2% de seu território é formado por lagos, rios e outras águas de superfície. O rio mais extenso é o Reno, que no sudoeste forma a fronteira entre a Alemanha e a França.

3. O transporte

O transporte público urbano e suburbano desempenha papel importante para a mobilidade na Alemanha: quase um quarto dos cerca de 39 milhões de domicílios na Alemanha não possui carro próprio. Assim, houve mais de 11,6 bilhões de percursos de ônibus e trem em 2019 – um aumento contínuo desde 2004. Entretanto, a pandemia do coronavírus fez com que o uso do transporte público urbano e suburbano caísse significativamente.

A metade dos ônibus urbanos deverá funcionar eletricamente em 2030. Com o pacote de proteção climática, também foi decidido, no final de 2019, reduzir o imposto sobre valor agregado das passagens ferroviárias de longa distância, de 19% para 7%.

Como alternativa para o automóvel, o governo federal alemão está fomentando também o ciclismo. Cerca de 1,4 bilhão de euros estão disponíveis para isso entre 2020 e 2023. Os recursos serão utilizados para construir novas ciclovias e expandir as existentes. Um projeto importante neste contexto são as chamadas ciclovias expressas – longas rotas frequentemente ao longo das rodovias federais que podem ser utilizadas sem interrupção por semáforos ou por causa do cruzamento de carros. Elas podem fazer com que, especialmente nas regiões metropolitanas, os profissionais que se deslocam entre o trabalho e a casa utilizem cada vez mais as bicicletas.

4. O governo

A Alemanha é uma democracia parlamentar e federal. O órgão constitucional mais visível para o público, o Parlamento Federal, é eleito diretamente a cada quatro anos pelos cidadãos habilitados a votar. As tarefas mais importantes do Bundestag são a legislação e o controle do governo. O parlamento elege em votação secreta o chanceler ou a chanceler federal para o período legislativo. O chanceler ou a chanceler tem a prerrogativa de estabelecer as diretrizes da política do governo. Ele ou ela escolhe os ministros ou as ministras e entre os quais um ou uma vice-chanceler.

Os partidos que formam o governo decidem de fato quem assume as áreas de trabalho que lhes foram atribuídas nas negociações de coalizão. Se a coalizão for desfeita, o chanceler ou a chanceler pode cair antes do fim do período legislativo de quatro anos, porque o parlamento tem o direito de destituir o ou a chefe de governo a qualquer momento. Isso só pode acontecer através da moção de desconfiança construtiva, com a eleição simultânea de um substituto ou de uma substituta. Dessa forma é impossível que haja um período sem governo eleito.

Governos de coalizão são a regra na Alemanha

Decisivo para caracterizar o parlamento é o sistema personalizado de maioria relativa. Os partidos pequenos têm no Bundestag uma representação proporcional aos resultados que alcançaram nas eleições.

O caráter federal da Alemanha se expressa na grande competência atribuída aos 16 estados federados, especialmente no referente às tarefas da polícia, justiça, proteção ­civil, educação e cultura. As cidades de Berlim, Hamburgo e Bremen são, por razões históricas, simultaneamente estados. A ligação estreita entre os Länder e a federação é especial, e oferece aos governos estaduais diversas possibilidades de participação na política federal.

O presidente federal é o primeiro cidadão no Estado

A função protocolar mais importante é desempenhada pelo presidente federal ou pela presidente federal. Ele ou ela não é eleito/a pelo voto popular, mas sim pela Assembleia Federal, convocada especificamente para esse fim. A Assembleia Federal é composta por deputados federais e um número igual de delegados eleitos proporcionalmente pelas Assembleias Legislativas dos 16 estados. O presidente ou a presidente exerce a função durante cinco anos, havendo a possibilidade de se reeleger uma vez. Desde 2017, o presidente federal é o Dr. Frank-Walter Steinmeier. Como político do SPD, ele foi ministro das Relações Externas de 2005 até 2009 e de 2013 até 2017. Steinmeier é o 12º presidente federal desde 1949. Embora o presidente federal tenha em primeira linha funções representativas, ele pode se negar a assinar leis, caso tenha dúvidas em relação à sua constitucionalidade.

A maior influência dos presidentes federais até hoje foi exercida através de discursos à nação, que são acompanhados com grande interesse pelo público. Os presidentes abstêm-se de tomar partido político, mas pronunciam-se sobre temas atuais, admoestando às vezes o governo, o parlamento e a população a agir.

Steinmeier pronunciou-se também na crise do coronavírus. Num pronunciamento por televisão em abril de 2020, ele solicitou aos cidadãos e cidadãs que tivessem compreensão com as medidas para a contenção da pandemia.

5. A comida

A cozinha alemã é conhecida por sua grande variedade de pães, e muitas vezes as pessoas conhecem alguns pratos como o Sauerkraut (Chucrute), a Currywurst (salsicha com molho de curry), o Eisbein (joelho de porco) ou a Kartoffelsalat (salada de batata), que ficaram até bastante famosas aqui no Brasil. Talvez você já tenha experimentado? Mas a culinária da Alemanha é muito mais do que isso. Ela possui uma variedade incrível de pratos, e cada região da Alemanha tem suas próprias receitas e tradições, muitas delas orientadas pelas estações do ano. Carne, peixe, vegetais, frutas, bolos - vale a pena experimentar um pouco mais!

6. As temperaturas

O clima na Alemanha é ameno. Em julho, a temperatura média é de 16,9 graus centígrados; e em janeiro, é de -0,5 graus centígrados. Os últimos invernos foram bastante moderados na Alemanha, enquanto os verões foram excepcionalmente quentes. Com uma temperatura média de 10,5 graus centígrados, o ano de 2018 foi o mais quente na Alemanha desde o início do registro regular do clima no ano de 1881.

7. Ciência e Pesquisa

Ciência e pesquisa têm muito valor na Alemanha. Tanto a economia como a política vêm aumentando continuamente o orçamento destinado ao trabalho de conhecimento. A participação dos investimentos em pesquisa no PIB foi de 3,13 % em 2018. Assim, a Alemanha está entre os poucos países que investem mais de 3 % do PIB em pesquisa e desenvolvimento (P&D) e a coloca em quarto lugar entre as economias mais intensivas em pesquisa do mundo.

Em 2018, cerca de 708.000 pessoas eram empregadas em pesquisa e desenvolvimento na Alemanha, 63% delas no setor empresarial. Em termos da participação do pessoal de P&D no total da força de trabalho, a Alemanha está claramente acima da média da União Europeia e à frente da China e do Japão. Espera-se que a participação das despesas de P&D no PIB continue a aumentar e atinja a marca de 3,5% até 2025.

O desempenho dos cientistas alemães é admirável. No “Nature Index” do ano de 2020, que avalia o desempenho das instituições de pesquisa e escolas superiores em termos do número de publicações de ciências naturais, a Alemanha teve a melhor colocação na Europa. Na comparação internacional, obteve o terceiro lugar, depois dos líderes EUA e China.

A globalização também transformou o polo científico da Alemanha. A capacidade da ciência e dos pesquisadores de se conectar em rede desempenha aí um papel fundamental. O país conseguiu se posicionar muito bem nessa questão. Os pesquisadores elaboram mais da metade de suas publicações científicas em cooperação internacional. Segundo os dados do relatório “Ciência Cosmopolita 2019”, trabalham nas 399 escolas superiores 47.500 cientistas e artistas colaboradores com nacionalidade estrangeira, sendo 3.250 professores.

O maior grupo entre o pessoal científico estrangeiros, com 36%, é proveniente da Europa Ocidental; em segundo lugar entre as regiões de origem estão a Ásia e o Pacífico com 18%. Os países de origem mais importantes são a Itália, a China, a Áustria e a Índia. Muitas escolas superiores e instituições de pesquisa criam centros de boas-vindas para melhor apoiar os cientistas na fase inicial de adaptação. A estada temporária de pesquisadores também é considerada um ganho, porque ao retornar a seus países de origem eles se tornam parceiros importantes em futuras redes de cooperação.

Quer saber mais sobre a Alemanha? Confira o Perfil da Alemanha e deutschland.de, onde você pode encontrar essas e muito mais informações.

Quer saber como é viver na Alemanha? Confira o nosso podcast com nossos amigos do canal Alemanizando:

Alemanizando