A ALEMANHA E O BRASIL

O Brasil é o único país na América Latina que está ligado à Alemanha por uma parceria estratégica. O foco dessa parceria é a contínua expansão da cooperação sobre temas bilaterais e multilaterais. As relações bilaterais foram ampliadas e intensificadas com as primeiras Consultas Intergovernamentais realizadas em agosto de 2015, em Brasília.

A cooperação é diversificada, abrangendo temas como energia, meio ambiente, ciências, economia e comércio, defesa, trabalho e assuntos sociais, bem como a cooperação nas Nações Unidas e nos Direitos Humanos. Com recursos do Ministério Federal de Cooperação Econômica e Desenvolvimento, do Ministério Federal do Meio Ambiente e da Iniciativa Internacional do Clima, o Brasil e a Alemanha cooperam na proteção da Floresta Tropical, bem como no fomento das energias renováveis e da eficiência energética. Os dois países dedicam atenção especial ao intercâmbio tecnológico-científico e ao cultural. A histórica e forte imigração alemã para o Brasil repercute positivamente na cooperação.

Além do mais, o Brasil é o mais importante parceiro comercial da Alemanha na América do Sul. Com um volume comercial superior a 14 bilhões de euros (2020), a Alemanha está na 4ª posição entre os maiores parceiros comerciais do Brasil. A União Europeia é, depois da China, o maior parceiro comercial do Brasil.

A Federação da Indústria Alemã (BDI) e a Confederação Nacional da Indústria (CNI) organizam anualmente o Encontro Econômico Brasil- Alemanha, juntamente com a reunião anual da Comissão Mista de Cooperação Econômica, com o objetivo de criar uma plataforma conjunta para o aprofundamento das relações econômicas bilaterais.

AS NOSSAS REPRESENTAÇÕES

As relações bilaterais em nível oficial são apoiadas e fomentadas pelo trabalho das representações diplomáticas alemãs. Além da Embaixada da Alemanha em Brasília, há quatro Consulados Gerais no Brasil, em Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo. Cada um atua em determinadas áreas do país nos mais diversos campos, como economia, política e cultura ou também no setor consular. Veja aqui qual representação diplomática é responsável por qual região do Brasil.

Além disso, 16 cônsules honorários apoiam o trabalho das representações diplomáticas no Brasil e são também contatos fixos para cidadãos alemães em suas regiões. Eles estão em Anápolis, Belém, Belo Horizonte, Blumenau, Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Joinville, Manaus, Natal, Ribeirão Preto, Rolândia, Salvador, Santos e Vitória. Aqui você encontra os dados de contato dos cônsules honorários.

AS COMUNIDADES BRASILEIRAS E ALEMÃS

Os primeiros vestígios da presença de pesquisadores e exploradores alemães no Brasil remontam ao século 16 – basta recordar aqui, por exemplo, o lendário explorador Hans Staden, ao qual se seguiram depois inúmeros outros viajantes e pesquisadores.

No século 19, começou finalmente a imigração alemã para o Brasil. Durante a primeira onda de imigração, no início do século, muitos alemães resolveram enfrentar a longa viagem para o Brasil na esperança de uma vida melhor. Desde o começo da imigração, geralmente datada em 25.07.1824, quando São Leopoldo foi fundada, um vínculo e uma amizade muito profundos unem o Brasil e a Alemanha. À época, a maioria dos imigrantes radicou-se sobretudo no Sul do país (Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná), onde hoje ainda é possível encontrar muitos brasileiros descendentes de alemães. Parte deles ainda fala dialetos como o Hunsrückisch, da região de Hunsrück, no sudoeste da Alemanha – que hoje quase não se ouve mais na Alemanha. A influência alemã é particularmente marcante em cidades como Blumenau ou Pomerode, em Santa Catarina. Mas colônias alemãs também foram fundadas em outros estados do Brasil, como Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia. Assim, são muitos os brasileiros que descobrem um antepassado alemão em suas famílias.

Essas relações próximas, cultivadas ao longo de anos, refletem-se igualmente em parcerias entre cidades. No banco de dados do Conselho dos Municípios e Regiões da Europa, estão registradas atualmente 11 parcerias entre cidades, como Rio de Janeiro e Colônia ou Brusque e Karlsruhe. Algumas delas também mantêm cooperações, por exemplo, na área climática. Há ainda uma série de outras parcerias ativas que não constam no banco de dados, embora prestem, com seu grande empenho, uma contribuição valiosa para a preservação e a difusão da cultura alemã no Brasil, assim como para o aprofundamento das relações entre os países. E não podemos nos esquecer das associações Brasil-Alemanha, que se dedicam, por exemplo, ao fomento do aprendizado dos idiomas ou à promoção da arte e da cultura tanto na Alemanha como no Brasil.

Quer saber mais sobre a imigração alemã? Confira nosso podcast com o Instituto Martius-Staden:

Instituto Martius Staden